Prontuário Eletrônico

Governo quer prontuário eletrônico nos postos de saúde em até 60 dias

Atualmente, dos 41.688 postos de saúde em funcionamento, apenas 24% utilizam prontuários eletrônicos

Postos de saúde de todo o país terão 60 dias para implementar o prontuário eletrônico, sistema que deve trazer dados como o histórico dos atendimentos feitos aos pacientes e resultados de exames, entre outras informações.

O prazo foi anunciado nesta quinta­-feira (6) pelo Ministério da Saúde. Segundo a pasta, as unidades que não se adaptarem ao novo modelo até o início de dezembro poderão ter recursos federais voltados à atenção básica cortados. Hoje, esses recursos, que custeiam programas como o Saúde da Família, por exemplo, correspondem a R$ 10 bilhões ao ano.

Prontuário Eletrônico
Prontuário Eletrônico

Apesar do projeto, dados do próprio ministério mostram que a implementação do prontuário pode ser alvo de impasses. De 41.688 postos de saúde em funcionamento no país, só 10.134 já utilizam prontuários eletrônicos –o equivalente a apenas 24%. O restante, ou 76%, ainda registram atendimentos e histórico dos pacientes em papel.

Desde 2014, a pasta também repassa recursos para ampliar o acesso à internet nas unidades de saúde. Ao todo, 8.000 já receberam verbas para ampliar as conexões –destas, no entanto, só 4.800 enviam dados por sistema eletrônico. O ministério não informou o total de unidades ainda sem acesso à internet.

Questionado, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirma que não deve haver problemas para a implementação. Segundo ele, dados do Ministério das Comunicações apontam que todos os municípios têm ao menos um ponto de internet banda larga.

Caso uma unidade não puder realizar a implementação, afirma, deve enviar uma justificativa para que o caso seja analisado e para que o governo possa tomar medidas até o cumprimento do prazo.

“Alguns municípios reportarão dificuldades. Vamos apoiá­los para que recebam a conectividade e veremos como proceder as informações para os municípios mais distantes, mais remotos”, disse. “Quem não puder estar no sistema vai ter que justificar, senão para de receber o PAB [recursos do piso da atenção básica]”, afirma ele, para quem os dados devem ser utilizados para verificar a aplicação dos recursos na rede e para ter maior controle dos atendimentos. “Vai dar para saber o lugar na fila? Deus ajude que sim. Não estou propondo isso, mas espero que o sistema nos ajude a ver isso”, afirmou.

Biometria – Para implementar o sistema, o ministério afirma que irá oferecer uma nova plataforma gratuita de envio de dados a todos os municípios. Cidades, no entanto, também podem optar por usar um sistema próprio, informa.

A plataforma, chamada de e­SUS AB, deve trazer espaço para que sejam gravados dados de consultas realizadas e diagnósticos, procedimentos realizados, resultados de exames e disponibilidade de medicamentos na rede.

O ministério também afirma que vai implementar, até 2017, serviços de biometria nas unidades de saúde, por meio de uma parceria com o Tribunal Superior Eleitoral. O objetivo é evitar fraudes. Segundo Barros, a pasta também estuda ampliar os serviços de telemedicina, em que médicos dos postos de saúde podem recorrer a especialistas de várias áreas para analisar os casos em conjunto.

Via Folha de São Paulo.

Governo quer prontuário eletrônico nos postos de saúde em até 60 dias
Gostou? Vote!

Faça um comentário!

Deixe uma resposta